fbpx

A história indeterminada do dinheiro – Parte 1

Este artigo é parte da série educacional da Trezor “De 6.000 aC a 21.000.000 de BTC”. Nesta série de artigos, abordaremos todos os princípios básicos de dinheiro, investimento, economia e auto-soberania e explicaremos como o Bitcoin se encaixa nesse esquema global. A cada mês, focaremos em um tópico diferente.

Depois de concluir a série, você poderá rapidamente passar por tudo o que aconteceu na história de nossa economia e nos levar para onde estamos agora, parado na encruzilhada do sistema tradicional de moedas nacionais, construído sobre confiança centralizada, e o sistema confiável do Bitcoin baseado na escassez e descentralização.

Esses princípios básicos, mas muitas vezes esquecidos, são necessários para compreender completamente o potencial do Bitcoin e seus efeitos em nossa sociedade. Porque o Bitcoin não é apenas uma tecnologia; é um estilo de vida, uma ferramenta de liberdade individual e um sistema totalmente novo de economia. Controlado por todos, mas ninguém.

A história indeterminada do dinheiro

Benjamins, dólares, esconderijo, sal ou massa. Simplificando: dinheiro. É impossível imaginar nossa sociedade sem o conceito de dinheiro. Uma ferramenta que permite a troca rápida e eficiente de mercadorias, transferência de riqueza ou armazenamento de valor. Todo mundo entende o propósito do dinheiro e, independentemente da região ou cultura, toda sociedade moderna tem dinheiro em seu DNA.

Mas o que exatamente é dinheiro? Como essa ferramenta se tornou a força motriz global na vida da maioria da população mundial? E onde ele apareceu pela primeira vez? Infelizmente, não temos evidências suficientes da história antiga que possam responder claramente a todas essas perguntas. Não sabemos quando ou por que ocorreu a transição do escambo para o dinheiro. Muito do nosso conhecimento é baseado em apenas alguns artefatos incompletos e raciocínio lógico, e talvez nunca possamos descobrir a imagem completa.

A teoria mais comum da evolução do dinheiro é a retratada por Adam Smith em seu livro Uma investigação sobre a natureza e as causas da riqueza das nações. Smith afirma que o dinheiro ocorreu graças à evolução do escambo e suas imperfeições.

Por outro lado, temos antropólogos como David Graeber, que pinta uma teoria da economia totalmente diferente em seu livro Dívida: os primeiros 5.000 anos. Ao contrário dos ensinamentos de Smith, Graeber acredita que o dinheiro apareceu como uma conseqüência direta das economias e dívidas dos presentes. Ele afirma em seu livro que as economias de troca provavelmente nunca existiram na escala descrita por Smith.

No entanto, neste artigo, focaremos a teoria aceita pelo público científico em geral, e essa é a história do escambo de Adam Smith.

O alvorecer da humanidade

Alguns antropólogos e arqueólogos estimam que a primeira forma muito limitada de troca de mercadorias apareceu no período aurignaciano, e mesmo que haja uma falta de evidências científicas para confirmar isso, é razoável supor que os humanos usavam bens como “dinheiro” muito antes das moedas apareceram. Os primeiros humanos estavam trocando mercadorias entre si no início da humanidade, quando os primeiros caçadores começaram a trocar ferramentas, ornamentos e carne de pederneira com outras tribos ou membros de sua própria tribo.

Também é importante mencionar que a contabilidade e a matemática primitiva já estavam começando a se desenvolver, comprovadas por artefatos descobertos que datam de 20.000 aC. Esses artefatos mostram que métodos primitivos de contabilidade (quantias contáveis) foram utilizados na forma de bastões de registro. Esses bastões feitos de osso, madeira ou outros materiais foram usados ​​para contar valores, mas não seria razoável supor que se tratava de uma contabilidade financeira, ou seja, contando dívida ou dinheiro.

O osso de Ishango que foi utilizado como registro de contabilidade é obtida da fíbula de um babuíno da atual República Democrática do Congo.

Infelizmente, encontramos apenas uma pequena fração de artefatos daqueles dias, e muitas teorias são baseadas puramente na indução lógica, então vamos começar um pouco mais tarde. Vamos voltar no tempo para 6.000 a.C, muito antes das primeiras moedas como as conhecemos aparecerem.

A história do Escambo

As primeiras menções a escambo começaram a aparecer na região da Mesopotâmia antiga durante o final do Halafe e no início do período Al-Ubaid, 6.000 aC. Localizadas na parte oeste da Ásia do sistema fluvial do Tigre-Eufrates, as tribos locais estavam sempre brigando pela falta de recursos naturais específicos, como minérios metálicos ou madeira.

Para obter os bens de que precisavam, os mesopotâmicos tiveram que começar a negociar com outras tribos que não possuíam os bens que os mesopotâmicos possuíam em abundância, como peixe, carne, frutas e legumes. Alguns dos primeiros negócios ocorreram entre as antigas tribos da Mesopotâmia e os fenícios.

Para negociar cada vez mais, foram estabelecidas docas às margens do Eufrates e Tigre, e alguns dos primeiros barcos de palheta foram construídos pela cultura neolítica ubaid da Mesopotâmia. O escambo se espalhou lentamente da Mesopotâmia para as regiões da atual Turquia, Iraque, Afeganistão e todo o Golfo Pérsico. Por volta de 3.000 aC, as rotas comerciais da Mesopotâmia se ramificaram em todas as direções, e o escambo tornou-se parte essencial de muitas civilizações antigas.

Objetos de argila do período Al Ubaid, de Tell Uqair.

O escambo estava prosperando e todas as diferentes culturas do mundo começaram a criar suas próprias rotas comerciais, trocando seus bens excedentes. Mas a troca não era o ideal. Se você tem peles de reposição e precisa de trigo, primeiro precisa encontrar um fazendeiro que tenha excesso de trigo e precise de peles. Vocês dois têm que concordar com a qualidade e a quantidade dos bens trocados e seu contra-valor entre si.

Para resolver isso, as pessoas começaram a negociar seus ativos com comerciantes, em vez de diretamente entre si. Essa especialização recém-desenvolvida foi uma parte crucial do sistema de troca (escambo), permitindo que as pessoas trocassem seus bens excedentes com o comerciante.

Os comerciantes rapidamente se tornaram algumas das pessoas mais influentes e ricas dos velhos tempos, sendo os comerciantes assírios um dos comerciantes mais famosos e qualificados da época. O escambo moldou as sociedades em todo o mundo e contribuiu para algumas das invenções mais essenciais da espécie humana, mas foi apenas o começo.

As primeiras moedas antigas – Dinheiro Concha

As civilizações estavam crescendo, mas nem todas as profissões estavam gerando bens que podiam ser facilmente trocados, então novos métodos de troca em uma forma de dinheiro relativamente distante começaram a aparecer.

Alguns dos primeiros métodos de troca que poderíamos considerar dinheiro apareceram por volta de 3.000 aC na forma de conchas de cowrie. Esse dinheiro da concha foi amplamente usado na Ásia, Oceania e África, e algumas evidências indicam que eles também foram usados ​​na América do Norte e na Rússia. A principal vantagem dessas moedas em comparação com as moedas atuais é que elas têm o valor agregado de serem acessórios decorativos amplamente demandados, além do valor monetário.

Conchas de cowrie antigas, crédito: Museu Britânico.

As conchas de Cowrie eram mais abundantes no Oceano Índico, onde eram recolhidas nas praias e depois comercializadas com as regiões vizinhas. Facilmente distinguíveis de outros tipos de conchas e não disponíveis naturalmente fora de áreas específicas, eles foram o primeiro tipo de dinheiro de alguma forma resistente à falsificação. A combinação desses fatores fez das conchas de cowrie uma das moedas mais amplamente difundidas. Eles ainda eram usados ​​como moeda em algumas partes da África até o século XIX.

Outras moedas também começaram a aparecer em todo o mundo. Um deles, o shekel mesopotâmico, era dinheiro de mercadorias, o que significa que era uma moeda com valor representado no peso de mercadorias, como um saco de grãos ou cevada. Mais tarde, os shekels foram usados ​​como uma unidade de medida para bronze, ouro e prata.

Por essa época, os primeiros bancos pré-históricos foram estabelecidos na Mesopotâmia. Esses bancos permitiriam que as pessoas armazenassem seus produtos para uso ou negociação posterior, e os primeiros registros contábeis em dinheiro eram feitos em pedra. Esses livros primitivos carregavam um valor representando mercadorias armazenadas no banco. Um antecessor dos modernos sistemas de débito e crédito.

Por volta de 1.000 aC, a dinastia Zhou na China começou a fabricar réplicas de bronze de conchas de cowrie, pequenas facas e pás, e as usavam como moeda. A maioria das evidências mostram que as primeiras moedas reais começaram a aparecer independentemente nas regiões da Índia, China e Grécia atuais, por volta de 700 aC. Todas essas moedas foram fabricadas usando diferentes processos metalúrgicos e vieram em diferentes formas, tamanhos e valores.

Por exemplo, as moedas de dracma gregas de Egina eram feitas de prata e estampadas com insígnias simbólicas de animais ou objetos valiosos, enquanto as moedas chinesas da dinastia Zhou eram fundidas em bronze e tinham um orifício no meio para facilitar a contagem e o transporte. No entanto, essas moedas não eram padronizadas e frequentemente diferiam em peso e valor.

Não foi até o início do século VI aC, quando as primeiras moedas cunhadas, predecessoras das moedas modernas, foram cunhadas de Electro, uma mistura natural de ouro e prata. Essas moedas eram uma moeda do Reino da Lídia, na Turquia moderna.

Moeda de Eletro de Lydia

Embora feitos em tamanhos e formas irregulares, eles seguiram um rigoroso padrão de peso e foram carimbados com um emblema único. Os metais preciosos logo se tornaram o método de pagamento favorito e, nas próximas centenas de anos, os padrões de cunhagem e anti-falsificação se espalharam da Lídia para a Grécia, o continente asiático e a Europa.

Pela primeira vez na história, circularam sistemas monetários e de moedas resistentes a falsificações com uma governança central. Moedas baseadas na confiança nas autoridades que as emitem, em vez do seu valor agregado (gado, ferramentas, metais preciosos etc.), constituem a pedra angular dos sistemas monetários modernos.

As moedas únicas da nossa história

Ao mesmo tempo, à medida que as moedas cunhadas ganhavam popularidade entre os países desenvolvidos da Ásia, África e Europa, surgiram outras moedas experimentais. Durante o governo do imperador Wendi de Han, de 180 a 157 aC, o governo imperial chinês lutou com a falta de metais preciosos necessários para cunhar moedas. Para reduzir o ônus da cunhagem de moedas, o governo imperial cedeu seus direitos exclusivos de cunhar novas moedas e permitiu que os governantes locais emitissem suas próprias moedas de cobre. Isso causou inflação maciça de novas moedas e desvalorizou a moeda existente cunhada pelo império de Wendi. Após a morte de Wendi da Han e um breve reinado de Jing of Han, um novo imperador Wudi da Han surgiu com um plano para restaurar o valor da moeda chinesa. Para evitar uma inflação ainda mais descontrolada, Wudi pretendia contabilizar o número de moedas cunhadas, escrevendo o volume cunhado em uma camurça branca. A esses pedaços grandes de couro de um metro e meio, foi atribuído um valor, em vez de serem valiosos como bens utilizáveis. Esse experimento de curta duração não corrigiu a questão da inflação no império chinês, mas nos trouxe o princípio da moeda com o valor nominal.

No parque imperial de Ch’ang Ngan, o imperador tinha um cervo branco, um animal muito raro, que não tinha companheiro no império. A conselho de um ministro, o Imperador matou esse animal e fez uma espécie de nota do tesouro de sua pele, a qual, ele acreditava, não podia ser copiada. Esses pedaços de pele tinham um metro quadrado e eram feitos com uma borda com franjas e decorados com um padrão. Cada peça recebeu o valor arbitrário de 400.000 moedas de cobre. Os príncipes, quando vieram prestar homenagem ao Trono, foram obrigados a comprar um desses pedaços de pele por dinheiro e a apresentar seus presentes ao Imperador. Essa precaução garantiu a circulação das “Notas de Veado Branco”. A pele do veado branco era, no entanto, uma quantidade limitada, e logo chegou o momento em que esse dispositivo deixou de fornecer ao Tesouro o dinheiro necessário.
– China, uma breve história cultural de CP Fitzgerald

Outro exemplo de uma moeda única é a pedra Rai da ilha de Yap da Micronésia. Essas grandes pedras em forma de círculo, geralmente esculpidas em calcário, eram usadas como dinheiro social. As pedras Rai não tinham valor de uso, e geralmente eram grandes demais para serem movimentados, mas isso não importava porque o sistema monetário de Yap era construído sobre uma história oral de propriedade. Essas pequenas tribos não precisavam de moeda nem qualquer forma de contabilidade, pois a compra de um item era simplesmente um acordo verbal entre os lados comerciais de que a propriedade de uma pedra Rai mudou. Cada pedra Rai tinha um valor extrínseco (percebido) com base em seu tamanho, qualidade e histórico de proprietários anteriores. Não está claro quando as primeiras pedras Rai apareceram, mas as primeiras evidências apontam já em 500 dC, e as Pedras Rai continuam sendo usadas para fins cerimoniais da cultura Yap até hoje.

Escrito por: blog.trezor.io

VOCÊ AINDA GUARDA AS SUAS SEEDS EM PAPEL?

Um pedaço de papel tem um tempo de vida curto e está propício as intempéries da natureza. Além disso, já pensou se um desavisado da sua família – que não sabe do que se trata – vê um pedaço de papel repleto de palavras sem sentido e joga no lixo? Afinal, para quem não vive no mundo das criptomoedas, não faz sentido algum encontrar um pedaço de papel com palavras aleatórias anotadas.

Compre já sua KriptoSteel com preço especial de Lançamento, clicando aqui.